terça-feira, 31 de maio de 2011

Genoíno & Ronaldinho, os homenageados!



Por André Carvalho (*)
Em 24 de maio de 2011
btreina@yahoo.com.br



GENOINO, O RONALDINHO DA DEFESA!
Mais uma vez, e elas foram muitas, o Jobim – ele mesmo, o ministro – embaralha meus três neurônios, dois deles morenos e o terceiro louro, herança de minha avó paterna, uma brasileira com descendência direta alemã. Por decisão pessoal, circunstância que fez questão de frisar, o senhor Nelson Jobim condecorou outro senhor, de prenome José e sobrenome Genoino, com a Medalha da Vitória, uma comenda concedida a militares e civis que contribuíram para difundir a atuação do país em defesa da liberdade e da paz mundial.

Para aqueles que não se lembram, Genoino (até caberia um agudo no “i” para amenizar a troca do “u” por “o”) foi presidente do Partido dos Trabalhadores, deputado federal por alguns mandatos, comentor do mensalão no primeiro governo Lula e guerrilheiro no Araguaia durante a ditadura militar. A biografia do José não se sustenta apenas de passado, posto que o indivíduo é, atualmente, assessor especial do Ministério da Defesa. Como veem, o insigne é “ficante” e “ocupante” de cargos, sejam eles de maior ou menor envergadura, não importa. O que importa mesmo é estar incluso dentre aqueles que mandam no país de todos nós, quando não, de todos os nós!!!

Penso que o Jobim, sempre que pode, faz questão de me sacanear com atitudes que jamais entendo. O Ministro tem a capacidade de burlar o bom senso e, por conseguinte, me tira do rumo. Exemplo: ao justificar a concessão da comenda ao Genô declarou “que estamos todos olhando para frente, ou seja, o que nós estamos querendo fazer e que o Brasil deseja fazer é um grande ajuste de contas com o seu futuro. O Brasil não quer retaliar seu passado”. Enquanto pagador de impostos, penso que ajuste de contas com o futuro é orçamento e não comenda. E tem mais: diz o protocolo, que a tal comenda deva ser concedida àqueles que contribuíram para difundir a paz, especialmente após a segunda guerra mundial. O agraciado, reconhecido guerrilheiro, nunca teve a paz em seu propósito de vida. Como mensaleiro também não. Portanto, a concessão não casa com a especificação, nem a comenda com o agraciado. O Ministro quer, realmente, atormentar, e não só a mim, a vocês também.

A cerimônia de condecoração foi comovente. Vocês precisavam ver a cara do Genô: quanta suavidade, que semblante pacificador; parecia um Gandhi dos trópicos. Faltava apenas um cajado para equilibrar, metaforicamente, sua insustentável leveza de ser, como diria Milan Kundera.

É certo que o Ministro da Defesa de uma potência como o Brasil, não se deixa influenciar. Entretanto, numa análise isenta, fico imaginando se toda essa incongruência não ocorreu por indução da Academia Brasileira de Letras que, um mês antes, em 12 de abril de 2011, ao comemorar o centésimo décimo aniversário de nascimento de José Lins do Rego, um grande escritor e flamenguista doente, concedeu a Medalha Machado de Assis, sua máxima honraria, ao senhor Ronaldo Moreira popularmente conhecido como Ronaldinho Gaúcho – esse mesmo, o do futebol e do pagode.

Como Ronaldinho fez pela literatura tanto quando Genoino fez pela paz, o Jobim acaba tendo alguma razão. Na verdade, o Genoino é o Ronaldinho da Defesa. Se continuarmos nesta linha de raciocínio perceberemos que a Academia Brasileira de Letras copiou a Universidade de Coimbra, a mais importante e antiga de Portugal, que concedeu o título de doutor honoris causa ao Inácio da Silva. Querem aprofundar? Esse desvario “condecorativo” começou, na verdade, em minha querida Bahia, na Ufba, sua universidade federal, que presenteou Inácio, logo que empossado, com um doutorado.

Em prol da coerência, informo que ano vindouro Jorge Amado completaria cem anos de nascido cabendo, portanto, homenagens e condecorações. Espero que a Academia, a exemplo do que fez com o Lins do Rego, o Flamengo e o pagodeiro, se lembre de condecorar as prostitutas de Ilhéus, mesmo que não frequentem mais o charmoso Bataclan.

P/S. Podia inserir no contexto o Itamaraty medalhando a Sra. Marisa Letícia. Seria uma maldade rememorar tal história, não é mesmo?

(*) André Carvalho não é jornalista, é "apenas" um cidadão que observa as coisas do dia-a-dia. Um free lancer. Ou segundo sua própria definição: um escrevinhador. Seus sempre saborosos textos circulam pela web via e-mails.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Xou de Paul Mc Cartney: "Eu estava lá"

Texto de Fabio Seixas

Esquisitaços
... decidi que era hora de encontrar outro Beatle. E ontem fui ao Engenhão, no Rio.

Show sensacional, organização que nunca vi num evento assim no Brasil, energia bacana, um mito no palco.
Mas o público... Algumas coisas me deixaram encucado.

Uma gente esquisita passou o show inteiro, ou boa parte, com o celular ou a câmera na mão. Filmando. Não prestava atenção às músicas, às luzes, ao desempenho de Paul no palco. Não dançava. Não pulava. Não cantava. Não vivia aquele desfile de clássicos.

A prioridade era filmar.

foto de Fabio Seixas

Para quê? Alguém assiste a isso por mais de 30 segundos? Imagino o chato chegando ao escritório no dia seguinte e querendo exibir aos colegas seus sensacionais registros feitos a 200 m do palco e mostrando basicamente um monte de cabeças balançando e braços pro alto, com som inaudível. Imagino o rapaz ou a moça chegando em casa esbaforido para ser o primeiro a postar no Youtube e linkar no Twitter, no Orkut, no Facebook... Para ninguém ver.

Na minha frente, num certo momento, um rapaz tinha um celular na mão direita e uma câmera na mão esquerda. Filmando "Let it Be". O sujeito deixou de curtir "Let it Be"!

Para esta gente, acredito, mais importante do que ir ao show é mostrar que foi ao show. Mais importante do que curtir é dizer que curtiu.

O que leva a outra constatação: muita gente foi lá só para isso, para se gabar. Não tinha a menor ideia de quem estava no palco. Quando Paul começou a tocar "Something" e a dedicou a George, um cara ao lado revelou para o outro: "George era o guitarrista dos Beatles". O amigo lançou um "Ahhhhh".

Enfim, não tenho nada com isso. Não filmei nada, só tirei esta foto _constrangido_ para ilustrar o post. São apenas constatações de um cara que, há algum tempo, não ia a um show num estádio. E que se surpreendeu.

Talvez o porteiro do prédio da Folha esteja certo. Hoje, quando eu chegava para trabalhar, um motorista travava o trânsito com uma manobra irregular e tentava convencer todo mundo de que estava certo.

Quando, enfim, consegui entrar no prédio, o senhorzinho lançou: "O ser humano é esquisitaço, né?" Ô se é...

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Os filhos da tia

Terra.Notícias

Mulher se passa por irmã por 35 anos; nem filhos sabiam seu nome
A Polícia Civil de Jaraguá do Sul, a 185 km de Florianópolis, divulgou nesta sexta-feira o caso de uma mulher que se passava pela irmã havia 35 anos. De acordo com os policiais, nem os três filhos de Santalina Borges Meurer, 63 anos, sabiam o nome verdadeiro da mãe.


arte de Otavio Ocampo

Santalina passou a usar o nome de Neli de Souza, que já havia morrido, para se casar pela segunda vez em 1976. Cinco anos antes, a pedido de seu pai, ela se casou com outro homem, com quem não chegou a manter a união conjugal. A troca de nomes foi a maneira que ela encontrou para se casar novamente sem estar divorciada.

Desde então, as aquisições financeiras foram conseguidas com a identidade de Neli de Souza. No entanto, desde 1977, com o falecimento do primeiro marido, a acusada utilizaria seus documentos verdadeiros, como viúva, para receber o benefício do INSS.

O caso foi descoberto quando Santalina teve os documentos em nome de Neli de Souza roubados. Ao chegar ao Setor de Identificação de Jaraguá do Sul para providenciar novo documento, o Instituto Geral de Perícia (IGP) verificou que as digitais coletadas pertenciam a Santalina Borges Meurer.

Santalina foi indiciada por falsidade ideológica e falsa identidade.

Ou seja, só foi descoberta por causa da ganância. Cadeia nela. E os filhos poderão se defender dizendo que não são filhos da mãe e sim FILHOS DA TIA!

Conselho a bebum: se beber, não chute!

video

Quem manda o recado é André Carvalho

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Oh! Os asnos


Por André Carvalho (*)
Em 17 de maio de 2011
btreina@yahoo.com.br



OH! OS ASNOS
Com atraso razoável, como é característica das obras da Copa, do PAC e também um pouco meu costume, e não havendo nada mais interessante e atual que me venha à mente, comento o treze de janeiro de dois mil e onze, segunda quinta feira do referido mês e dia da lavagem das escadarias – e só das escadarias – da igreja do Senhor do Bonfim, na antes bendita cidade do Salvador. A lavagem se dá uma vez a cada ano, de sorte que podemos concluir, no mais raso dos raciocínios, que, ou sujamos pouco ou aquilo vive uma imundice. O Pároco e o Cardeal devem fazer outra análise, o que agora não vem ao caso.

Com clima ameno para o verão e sem a incidência de chuvas torrenciais, desde cedo, parte miúda dos habitantes e dos turistas – percentualmente falando – se deslocou para a cidade baixa em busca de proteção e diversão ou, em casos raros, para agradecer bênçãos alcançadas. Nem me passou pela “telha” agradecer a benção pelo fim do governo Lula, o que faço agora: Obrigado Senhor!

À festa acorreram, como em anos passados, além de turistas e soteropolitanos, hordas de políticos, partidariamente agrupados, fantasiados em cores e símbolos tais, como se estivessem em suas não menos festivas e imundas convenções. Cartazes, faixas, “banners” compuseram o cenário pecaminoso, se considerarmos os sete pecados capitais.

Vaidade, inveja, ira, preguiça, avareza, gula e luxúria lá estavam, com menor incidência do quarto pecado, pois que na Bahia ninguém tem preguiça de ir à festa. A avareza circundou por entre aqueles que comem e bebem, mas não querem rachar a conta. São muitos, estes...

Inúmeros lá estiveram, principalmente os funcionários públicos em cargos de comissão, apenas para inflar o derredor do chefe e para ser visto, numa tecnicidade empregatícia de quem arredonda ou abaúla o salário, via comissionamentos.

Alimentaram o embalo um sem número de ambulantes comercializando da mais pesada droga ao acarajé, embutido aí nesse cardápio a cerveja, quinto maior símbolo da festa, atrás apenas do santo, do governador, das baianas e do jegue. Não tenho registro da presença da Vigilância Sanitária, mas certamente trata-se de um lapso de informação visto que seus prepostos andam, diligentemente, dia e noite, por toda a cidade, principalmente nas praças de alimentação a céu aberto.

E por falar em jegue, durante os dias que antecederam o regozijo, não se disse outra coisa. Num pitoresco “to be or not to be; that's the question” a Bahia discutiu a conveniência da participação dos jegues na fanfarra. Podem ou não podem ir à festa, os jegues? Vão a trabalho ou a passeio?

A Sociedade Protetora dos Animais, a Justiça em algumas de suas instâncias e a Prefeitura, além é claro, dos donos dos burregos, se engalfinharam “de focinho a rabo” nessa disputa de poder, dinheiro e imbecilidade, trocando patadas de intensidades diversas.

Através dos estudos de Charles Darwin sabemos, há mais de um século, que jumentos, jegues e asnos são animais de tração e carga e mantêm sua compleição por conta desse trabalho, realizado, via de regra, sob as mais rigorosas condições. Foi um deles que carregou Maria, grávida do menino Jesus, de Nazaré a Belém, sob sol inclemente e território pouco auspicioso.

Ocorre que, atualmente, o jegue, pelo menos aqui em Salvador, não pode se dar a qualquer esforço maior, mormente os carnavalescos. Levando-se em consideração a comprovada lei do uso e desuso creio que se mantivermos os burregos longe dos carregamentos, atrofiaremos seus membros, exceto um deles, e os transformaremos, quem sabe, em mamutes sem tromba.

Que Deus vos proteja, oh asnos de toda natureza!

(*) André Carvalho não é jornalista, é "apenas" um cidadão que observa as coisas do dia-a-dia. Um free lancer. Ou segundo sua própria definição: um escrevinhador. Seus sempre saborosos textos circulam pela web via e-mails.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

No fundo so mar...

Enviado por Carlos Michelli, por e-mail.
(G1 / BBC)


Mergulhador fotografa divisão
entre placas tectônicas na Islândia


Foto: Alexander Mustard / Solent


 
O fotógrafo britânico Alexander Mustard registrou o mergulho que ele e outros colegas fizeram na fenda entre as placas tectônicas da América do Norte e da Eurásia.

A aventura para conhecer a "fronteira" entre as duas placas ocorreu no Parque Nacional Thingvellir, na Islândia. A paisagem submersa do parque é cheia de vales, falhas e fontes de lava, formados pelo afastamento gradual entre as duas placas, que se distanciam cerca de 2,5 centímetros uma da outra a cada ano.

Foto: Alexander Mustard / Solent

Os mergulhadores que participaram da expedição desceram cerca de 24 metros na fenda entre as placas, mas chegaram a até 60 metros de profundidade em cânions como o Silfra e o Nikulasargia.

Mustard, de 36 anos, diz que as imagens mostram 'o mundo submarino único da Islândia, que, assim como a ilha, é formado por paisagens vulcânicas'.

A lava e o vapor quente na interseção entre as placas criou também a chaminé hidrotermal Arnarnes Strytur, visitada pelos mergulhadores. A água é expulsa da chaminé 80°C e forma uma coluna turva ao entrar em contato com a água do mar, que está a 4°C.

Alexander Mustard é especializado em imagens submarinas. Um de seus trabalhos mais conhecidos é o registro fotográfico de destroços de navio no fundo do mar ao redor do mundo.

Foto: Alexander Mustard / Solent

A noção de placas tectônicas foi desenvolvida nos anos 1960 para explicar as localizações dos vulcões e outros eventos geológicos de grande escala.

De acordo com a teoria, a superfície da Terra é feita de uma "colcha de retalhos" de enormes placas rígidas, com espessura de 80 km, que flutuam devagar por cima do manto, uma região com magma nas profundezas da terra.

As placas mudam de tamanho e posição ao longo do tempo, movendo entre um e dez centímetros por ano - velocidade equivalente ao crescimento das unhas humanas.

O fundo do oceano está sendo constantemente modificado, com a criação de novas crostas feitas da lava expelida das profundezas da Terra e que se solidifica no contato com a água fria. Assim, as placas tectônicas se movem, gerando intensa atividade geológica em suas extremidades.


 
As atividades nestas zonas de divisa entre placas tectônicas são as mesmas que dão origem aos terremotos de grande magnitude.

XXXVI - Laurence Laveder

Magos da Fotografia

XXXVI - Laurence Laveder


Brincando com a lua, por Laurent Laveder

Fotógrafo profissional e jornalista científico, Laurent Laveder criou a série Moon Games, composta por diversas imagens que mostram pessoas interagindo com a Lua.




Capturando as cenas por um ângulo específico, o artista faz parecer que o satélite está realmente ao alcance das mãos dos homens e mulheres que, posando para as lentes do artista, brincam de jogá-lo para cima, ou pousá-lo na xícara de café.





 Especializado em fotos do céu, Laveder faz parte do coletivo The World At Night, que reúne 30 dos melhores astrofotógrafos do planeta.



 Obrigado Gilvan!


Por e-mail. Mas querendo ver mais desse Mago da Fotografia basta acessar o site

domingo, 15 de maio de 2011

Todo mundo tenta, mas só o Bahia é penta...e hexa... e hepta!

Na sexta feira afirmei que Wallace Coelho, nosso paparazzi e eterno torcedor sofredor do vitorinha da Bahia, conhecido com justeza pela engrandecedora alcunha de Vicetória iria apresentar mais um furo neste domingo.



E foi o que aconteceu, aliás minha (esse magrinho aí em cima sou eu) previsão foi um pouco aquém da realidade, pois foram dois os furos - ambos na rede de Viáfara, um em cada tempo!

Vicetória 1 X 2 Bahia de Feira





Parabéns Bahia de Feira!
Embora genérico, igualmente vencedor!!

charge retirada do BBMP

VideoFutebol - Perna de Pau X Ruim de Bola

Nunca vi tantos incompetentes num jogo só!

video

De Raimundão, por e-mail.

sábado, 14 de maio de 2011

Strong is beautiful


Ana Ivanovic

A WTA, entidade responsável pelo circuito mundial de tênis feminino, lançou ontem (12.05) uma campanha global (80 países) batizada de “Strong is Beautiful” para televisão, mídia impressa, digital e redes sociais. As estrelas das peças durante os próximos dois anos serão as 38 melhores atletas do ranking.

Victoria Azarenka
 Segundo a WTA, o tênis feminino reúne as atletas mais seguidas do mundo justamente por causa desta união da beleza e da forma atlética, então nada melhor do que ressaltar estes atributos numa campanha. Esta aproximação e exposição visa fortalecer o relacionamento entre fãs e ídolos, além de apresentar as novas promessas da modalidade.

Gisela Dulko

A estratégia de valorizar os atletas sempre foi uma das principais armas das ligas norte-americanas, a NBA em especial quando incentivou o uso das mídias sociais e a criação de contas há alguns anos, enquanto diversos clubes e federações preferiram proibir.

 O raciocínio é que quanto mais famosos e próximos dos torcedores forem os protagonistas, mais valorizada estará a marca da liga que eles fazem parte.

Para mais fotos, clique aqui

Kaia Kanepi


jogo de negocios

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Momento histórico!

Nosso crítico literário e paparazzi de grandes furos, Wallace Coelho, apresenta o registro do exato momento que Barack Obama mostra Osama Bin Laden sendo flagrado.


Acreditamos que neste domingo, nosso paparazzi apresentará outro grande furo! Aguardemos!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Lançamento do livro Como entender as mulheres!

Lançado o 1º volume do livro:

Como entender as mulheres.


Nosso crítico literário, Wallace Coelho, após uma breve leitura dinâmica recomenda com louvor e sugere que o tenhamos como livro de cabeceira pois é sintético e muito prático!







segunda-feira, 9 de maio de 2011

Quando a competência é defeito!

Pilordianos, voltei por uma boa causa.

Por Augusto Nunes, em sua coluna
Publicado em 04.04.2011

A troca do presidente da Vale informa que o governo brasileiro acabou de inventar a demissão por excesso de competência

Ao se intrometer na vida da Vale, o governo federal produziu simultaneamente três assombros: inventou a demissão por excesso de competência, transformou Roger Agnelli no único executivo da história que perdeu emprego por ter feito tudo certo e criou a primeira empresa privada do Brasil cuja diretoria é escolhida pelo Palácio do Planalto e decidiu nesta segunda-feira que o novo comandante será o ex-diretor Murilo Ferreira. Não é pouca coisa. E não é tudo.

Bastou a notícia de que o governo resolvera ditar os rumos da Vale para que mais de 4 milhões de investidores começassem a perder dinheiro. Só em março, as aplicações sofreram uma queda de 6,81%. “As ações deveriam estar voando”, disse em entrevista ao jornal O Globo o especialista em investimentos Bruno Lembi. “Os preços do minério estão lá em cima e a Vale divulgou um balanço excepcional”.

Privatizada em maio de 1997, a Vale começou a colecionar cifras superlativas a partir de julho de 2001, quando Agnelli assumiu a presidência para transformá-la, em 10 anos, na segunda mineradora do planeta e na maior produtora mundial de minério de ferro. Em 1997, tinha 11 mil funcionários. Hoje são 174 mil. A extração de minério subiu de 114 milhões de toneladas para 297 milhões de toneladas, e o lucro saltou de R$ 390 milhões para R$ 30,7 bilhões. Os investimentos somaram R$ 19,4 bilhões em 2010. Deverão chegar a US$ 24 bilhões em 2011.

Quem aplicou R$ 1 mil em ações da Vale no dia da posse de Agnelli tinha R$ 16.829 na conta neste 23 de março, quando o afastamento foi oficializado. A valorização foi de 1.583%. Em paragens civilizadas, tal performance faria qualquer chefe de governo disputar Agnelli a socos e pontapés com a iniciativa privada: como não instalar num ministério da área econômica alguém tão singularmente eficaz? No Brasil, como ensinou Tom Jobim, sucesso é ofensa pessoal. E a independência é o oitavo pecado capital aos olhos de governantes autoritários como Lula.

Enciumado com o executivo brilhante, indignado com o homem de empresa que ignorava determinações do presidente da República, Lula ficou à espera do pretexto para o início da ofensiva. A chance chegou em dezembro de 2008, quando a Vale incluiu a demissão de 1.300 funcionários entre as medidas adotadas para abrandar os efeitos da crise econômica internacional. De lá para cá, a abertura de 35 mil novos empregos compensou amplamente o corte, mas Lula continuou a tratar a demonstração de autonomia como traição à pátria.

Com o apoio de Dilma Rousseff, resolveu que ninguém teria sido demitido se a Vale reduzisse a exportação de minério e ampliasse os investimentos em siderurgia. E apertou o cerco ao inimigo imaginário em abril de 2009, quando Demian Fiocca, ex-presidente do BNDES ligado ao ministro Guido Mantega, foi demitido da diretoria da Vale. Em fevereiro deste ano, incumbido por Dilma Rousseff de articular o ataque derradeiro, Mantega conseguiu o apoio da maioria dos controladores da empresa para a torpeza longamente planejada.

Caso o governo soubesse o que é meritocracia, Agnelli poderia ser o ministro da Fazenda e Mantega e Dilma só apareceriam regularmente no gabinete do presidente da Vale se ele fosse o homem do cafezinho e ela, a mulher da limpeza. Na Era da Mediocridade, Obina joga na Seleção e tira Pelé do time. A multidão de ministros e figurões do segundo escalão comprova que, há quase 100 dias, a presidente da República é uma ilha de despreparo cercada por todos os lados de incompetentes, cretinos, vigaristas, ineptos e gatunos.

O Brasil decente sairia ganhando se todas essas nulidades fossem despejadas dos gabinetes que ocupam. Em vez disso, Dilma preferiu ultrapassar as fronteiras do Planalto para castigar a Vale com a demissão de um dos mais talentosos executivos do mundo. O País do Carnaval tem o governo que merece.

domingo, 8 de maio de 2011

A foto de Bin Laden morto, por Johil Camdeab.


Johil Camdeab é um desses artistas gráficos de humor ácido que não perde uma oportunidade. Brincando com o Photoshop - prática de retocar e mexer em fotografias para transformá-las em piadas - ele concentra suas gozações na classe política, fonte inesgotável de inspiração para chargistas e cartunistas desde os primórdios da civilização.



Seu humor ácido e irreverente é uma forma de protesto que leva as pessoas do riso à indignação e à reflexão, como vocês podem ver nos trabalhos mais recentes do artista, uma cobertura jornalística visual da morte do terrorista Osama Bin Laden.





Para ver mais de seus trabalhos, clique aqui.

Dia das Mães!

Elefante marinho fazendo abdominais

Parece o Ronaldo, né não?

video

VideoEsporte - Gol contra numa cobrança de penalte. Pode?

video
Mauricio TD, por e-mail

Froidisplika


"Esses últimos dias,
o mundo tá parecendo um jogo de xadrez:

 Sexta-feira só falavam do rei e da rainha.

Domingo beatificaram o bispo.

Depois deram xeque-mate
em quem derrubou as duas torres.

 ...E eu que sou peão,
trabalhando que nem um cavalo..."


Gilvan, por e-mail.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Um recado.

Pilordianos,

Depois de muito tempo a disposição quase que total ao blog assumi novas atividades que me impedem de continuar dedicando-me como antes. Com isso a redução drástica nas postagens.

Faço meu "mea culpa" pois já deveria ter me pronunciado, mas fui adiando, adiando...desculpem.

O Pilórdia, como bem sabem,   em sua essência é um garimpo e como todo garimpo para funcionar a contento faz-se necessário que me disponha a ficar horas na grande rede "peneirando" um ou outro post, às vezes em forma de  informação, outras de entretenimento.

Arte de Wallace

Antes dessa mudança estávamos estudando novas "caras" para o blog. Uma delas é essa acima, quem sabe futuramente?

Por absoluta falta de tempo para buscar novas postagens tentei fazer uma "repostagem" com os melhores momentos do blog - o especial Déjà vu. Mas até esse garimpo interno tem sido complicado.

Bem, agora já sabem. Apesar de saudoso nada posso fazer pelo menos no momento. Enquanto não voltamos ao normal, utilizem o blog para acesso de outros sites - têm muitos na coluna à direita de quem vê - ou simplesmente naveguem pelos posts antigos. Revejam os Temas Especiais. Ou os vídeos. Ou os Gênios do Traço, mestres nas artes das charges e cartuns.

Para quem gosta de boa leitura, sugiro os articulistas André Carvalho e Antonio Luís Almada. Ou  um dos Artigos - Outros Articulistas. Ou ainda, divirtam-se com as belas Crônicas. Ou tirem umas férias do blog, também é válido.

Eventualmente poderei postar algo mas sem maior comprometimento. Até breve. Espero.

PS - Se algum dos assinantes desejar cancelar a assinatura é só manifestar-se que atenderei. E compreenderei.