sexta-feira, 30 de abril de 2010

Falando por aí...

Gafes, qualquer cidadão pode cometer.
Gafes presidenciais são exclusivas do Lula.

http://www.cartunistasolda.blogspot.com/

De jacaré a lagartixa

Por Gaudêncio Torquato, em seu Porandubas Políticas

De jacaré a lagartixa
Há 60 dias, víamos um formidável jacaré abrindo a boca na beira da lagoa política. Ao mostrar os dentes, o bicho impunha respeito. O tempo foi se passando. Há três dias, aquela fera desapareceu. Em seu lugar, surgiu uma lagartixa. O que teria acontecido ? Não, o jacaré não mergulhou na lagoa. Virou a própria lagartixa. Encolheu. Fenômeno da natureza ? Sim. Mutação gerada pela genética política. O jacaré Ciro virou a lagartixa Gomes. O tiro Gomes saiu pela culatra.

Gafe lá, gafe cá
Dilma comete gafes ? Sim. Não é bem treinada na arte de dizer de maneira concisa e precisa ? Sim. Ocorre que Serra também comete bobeiras. Em Natal, semana passada, carimbou a população trabalhadora do RN com o selo de 6% da mão de obra nacional. Ora, não chega a 1,7%. Serra teria falado de costas para empresários que lotavam o auditório. Chegou no meio da madrugada quando era esperado às 9h.




PMDB, o maior
Seja qual for o nome - Serra ou Dilma - o PMDB deverá continuar sendo o maior partido brasileiro. Espera eleger uma bancada de 100 deputados federais e cerca de 10 governadores. Afora as maiores bancadas estaduais em muitos Estados. O PT deverá secundá-lo, vindo a seguir, o PSDB. A partir do quarto lugar, o quadro é nebuloso.

Mídia eleitoral
Dilma terá 48% de tempo a mais na programação eleitoral de TV e rádio. Ou seja, mais de 8 minutos. Serra terá um pouco mais de 5 minutos. Atenção, marqueteiros : nem sempre grande tempo significa grande programa. Se os espaços não são bem aproveitados, o programa pode ser uma chatice ou enchimento de linguiça.

Besteirol
O besteirol em ano eleitoral se espalha. Um dos capítulos mais imbecis é o que anuncia a renúncia de Lula para se candidatar a vice na chapa de Dilma. Eleita, ela passaria pouco tempo. Renunciaria e cederia o trono a Lula. Que terminaria o mandato de Dilma, candidatando-se, ao final, à nova reeleição. E ainda há gente séria que me pergunta sobre essas bobagens.

XXVI - Rochas extraordinárias

Especial Cartão Postal

XXVI - Rochas Extraordinárias - 7


Balanced Rock, Colorado - Estados Unidos
Rocha em Equilíbrio, Jardim dos Deuses

Curiosidade
A altura total de Balanced Rock é de cerca de 39 m com uma rocha elevando-se 16,75 m acima da base. A pedra grande em cima é do tamanho de três ônibus escolares.



Geiser Black Rock Desert - Nevada - Estados Unidos
Gêiser no Deserto da Rocha Negra

Curiosidade
O Gêiser, conhecido como Fly Geyser não é um gêiser real, mas é o resultado da perfuração de um poço artesiano de água quente. Ele está sempre em erupção contínua e acumulou um cone de minerais em torno de canos de cerca de 100 anos atrás. As cores diversas são originárias do calor e de microorganismos tolerantes como aqueles que vivem em fontes termais.



Spider Rock, Chelly Canyon, Arizona - Estados Unidos
Rocha da Aranha, Garganta de Chelly


Curiosidade
Uma torre de arenito que se eleva a 240 m do solo. O Spider Rock já serviu como palco de uma série de comerciais de televisão. De acordo com as crenças tradicionais dos índios Navajo - nativos da região, o mais alto das duas torres é a casa da Mulher Aranha.

Ela = Anja Rubik

Anja Rubik, Polônia


Edeuscriouamulher

Pílula da consolação


Charge de Son Salvador

"Pensando bem,
na falta de um reajuste maior dos proventos,
os aposentados serão consolados
com um preço menor do genérico do Viagra."

ucho.info

Se vira nos 30!

que medo...

web e e-mails

Que esporte é esse?


Web e e-mails

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Responda lá!

Clique na imagem para ampliar

Já que o presiMente lulla...

... tá com a cabeça nos ares...
 ... o Brasil vai junto!

eramos6

PresiMente Lulla


As eleições vêm aí...

Ique /  acharge

XXIV - A Arte de Phil Levine

Especial PinturArte

XXIV - Phil Levine
Transforme sua careca numa tela de pintura!

O americano Phil Levine  começou a ficar careca cedo, com apenas vinte anos. No entanto, ao contrário de muitos outros homens com problemas semelhantes ele não se deixou abater, ao contrário, resolveu tirar vantagem da situação:




"Eu não queria apenas raspar a cabeça, como fazem os outros, e, portanto, decidí agregar arte neste processo." - relatou em seu site.



É claro que precisou de ajuda para esta nobre tarefa e a escolhida foi, Kate Sinclair, profissional treinada em body art. É dela inclusive, a autoria da maioria da imagens que aparecem na calva de Phil.

"Em vez de usar uma peruca e esconder-me debaixo dela, eu estou agindo de uma forma mais original já que o que as pessoas estão habituadas a considerar como uma fraqueza, é minha força" - Phil Levine argumenta.



Para enfeitar a cabeça, ele seleciona os projetos. Após pintar um quadro que foi adorado pelo público: a sua cabeça adornada a 1000 cristais Swarovski, imediatamente entrou no centro das atenções.



"Muitas pessoas vêem minhas ações sob a forma de arte original, e eu vou cuidar disso, para inspirar e surpreender o público durante muitos anos", - afirma Phil Levine.


 
kulturologia

Ela = Herika Noronha

Herika Noronha, Goiás, Brasil


Eu era feliz e já sabia!


Fottus

Coisas do judiciário brasileiro.

Li no Migalhas

O jornal O Estado de S. Paulo diz que "o juiz de São José do Egito/PE, José Francisco de Almeida Filho, foi afastado por 90 dias das funções diante de indícios de que quem mandava no Fórum era sua mulher, Maria do Socorro de Almeida.


Ilustração do turco Musa Gumus / Irancartoon

Ela não é juíza nem concursada, mas dava voz de prisão e atendia advogados na comarca, onde teria sala própria.

O juiz agora responde a processo administrativo. Ele se diz vitima de um complô.

As tirinhas sacanas de ...

... Gilmar

... Nani




Para ampliar, clique nas Tiras.
Para retornar ao Pilórdia,
 clique na seta à esquerda, no alto.

CQC nas eleições




O programa jornalístico-humorístico CQC, da TV Bandeirantes, inaugurou um quadro novo: “O Povo quer Saber”.


Marina Silva, a presidenciável do PV, foi a primeira a topar a “aventura”. Respondeu a peguntas formuladas na rua. Normalmente sisuda, a candidata revelou-se dona de notável senso de humor. Manteve o rebolado.

A candidata, passou no teste com louvor. Vai ser divertido assistir à inquirição de José Serra e Dilma Rousseff. Se é que vão aceitar o convite!

Josias de Souza

Troféu Gambiarra!


thereifixedit Troféu Gambiarra!

As eleições vêm aí...

Newton Silva /  chargeonline

Que esporte é esse?


Web e e-mails

terça-feira, 27 de abril de 2010

As eleições vêm aí...

Pelicano / a charge online

XXXV - Escultura com pregos


  XXXV - Esculturas com Pregos



Veja mais, aqui

Ela = Mônica Bellucci


Mônica Bellucci, Itália

A Páscoa, na visão de...

Arte de Tonho Oliveira / 6vqcoisa

Dilma Roussef e o Meio Ambiente - Relembrando...



video

Colaboração de Maurício T Dantas

Da série...O cara é uma anta!


video

00:17 seg

As eleições vêm aí...

Para pensar



Quem construiu a Tebas de sete portas?
Nos livros estão os nomes de reis.
Arrastaram eles os blocos de pedra?
E a Babilônia várias vezes destruída
Quem a reconstruiu tantas vezes?


Para onde foram os pedreiros, na noite em que
a Muralha da China ficou pronta?
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.
Quem os ergueu?


O jovem Alexandre conquistou a Índia.
Sozinho?
César bateu os gauleses.
Não levava sequer um conselheiro?
Felipe da Espanha chorou, quando sua armada naufragou.
Ninguém mais chorou?
Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
Quem venceu além dele?


Cada página uma vitória.
Quem cozinhava o banquete?
A cada dez anos um grande homem.
Quem realmente o fazia grande?


Tantas histórias.
Tantas questões.

Bertolt Brecht
(1898-1956)

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Zelão, por André ...



Por André Carvalho (*) em 18 de abril de 2010
btreina@yahoo.com.br

Publicado no jornal A Tarde em 23 de abril de 2010




Zelão
Não sei se o desalento me permitirá fazer uma correlação, por mais frágil que seja, ligando os tristes desmoronamentos ocorridos semana passada, no Estado do Rio de Janeiro, à falta de sensibilidade que impera, e não é de hoje, na análise e na condução das questões sociais no Brasil.

Em mil novecentos e sessenta – portanto, há cinquenta anos – um cidadão de nome artístico Sérgio Ricardo compôs e gravou sua música de maior sucesso, cuja letra, de extrema beleza por mais contraditório que pareça, descreve o drama que hoje acompanhamos em imagens coloridas e entrevistas televisivas, maldosamente emocionadas:
Choveu, choveu / a chuva jogou seu barraco no chão / nem foi possível salvar o violão / que acompanhou morro abaixo a canção / das coisas todas que a chuva levou / pedaços tristes do seu coração”.

Todo o morro entendeu / quando Zelão chorou / Ninguém riu, ninguém brincou / e era carnaval”.
Desde então, contando a junta militar de 1969 – o golpe dentro do golpe – o Brasil teve dezessete presidentes da república e uma infinidade de governadores e prefeitos, impostos ou eleitos, de direita, de centro e de esquerda, cultos ou incultos, civis e militares, nordestinos ou não, alguns honestos.

Pelo visto, a todos faltou sensibilidade para entender que o drama de Zelão se multiplicaria, dia após dia, em cada cidade, em cada encosta, em cada morro e a cada gravidez e parto inconsequente que a Igreja Católica insiste em referendar.

Os mortos e os desabrigados de agora, que repetem Santa Catarina de dois mil e oito e Angra dos Reis de janeiro próximo passado, repetem também centenas de outras tragédias ocorridas ao longo dos anos e atestam que a simples elaboração de leis ou distribuição de bolsas, cotas e slogans não resolve, como fazem crer os poderes constituídos, as mazelas acumuladas ao longo do tempo. É uma questão de sensibilidade, ou, mais especificamente, de sua ausência.

Falta sensibilidade ao poder público. Por vezes, me parece faltar sensibilidade à nação brasileira, em sua “macro” e em sua “micro” composição.
Não vi, nos inúmeros telejornais que acompanhei, lágrimas do Governador do Estado do Rio de Janeiro, jorrando tal qual jorraram, há pouco mais de trinta dias, pela perda de royalty petrolífero para sua “capitania”. Nem sei se, num Estado onde cidadãos, carros e bandidos são explodidos por granadas, a morte seja capaz de motivar as lágrimas governamentais.
Também não vi o Ministro da Defesa, Dr. Nelson Jobim, visitar consternado as áreas atingidas como fez no Haiti, pós terremoto, vestido em traje militar camuflado para despertar a atenção da imprensa e dos incautos.
Trago o governador do Rio de Janeiro e o Ministro da Defesa como meros exemplos! Poderia trazer outros tantos, inclusive o Prefeito de Salvador, cidade que passa, por conta de sua superior inabilidade, momentos de pavor. Aliás, não é de todo desajuizado o uso do adjetivo “mero” quando se trata da classe política brasileira.

O Zelão de Sérgio Ricardo apregoa a certa altura que “um pobre ajuda outro pobre, até melhorar”. Será que nossos políticos, ao longo do último meio século, se apoiaram aí, nessa solidariedade poética, capaz de motivar um samba enredo, mas incapaz de estabelecer condições dignas de vida? Será que entenderam não ser necessária a ação do estado onde há solidariedade entre os homens? Ou jamais escutaram Sérgio Ricardo?

Alguém duvida da falta de sensibilidade?
Em Pernambuco, terra natal do atual presidente da república, que tenta eximir-se de culpa, mas que é tão responsável quanto os demais, enterram-se os mortos cantando assim:
“Uma incelença entrou no paraíso
Uma incelença entrou no paraíso
Adeus, irmão, adeus
Até o dia de juízo
Adeus, irmão, adeus
Até o dia de juízo”

Se houver o juizo final sobrarão sanções Divinas!
(*) André Carvalho não é jornalista, é "apenas" um cidadão que observa as coisas do dia-a-dia. Um free lancer. Ou segundo sua própria definição: um escrevinhador. Seus sempre saborosos textos circulam pela web via e-mails.